Televisa prepara remake de novelas de sucesso para apresentá-las em formato de série

Milton Figueiredo
06/11/2018
Televisa prepara remake de novelas de sucesso para apresentá-las em formato de série

Intitulado “Fábrica de Sonhos” (Fábrica de Sueños, no original), a Televisa prepara um projeto de séries com textos de suas novelas de maior êxito no território mexicano e em todo o mundo. Nesta nova versão, as produções terão entre 20 a 25 capítulos e serão exibidas, primeiramente, em seu serviço de streaming, o Blim. O anúncio foi feito pela Televisa Studios no dia 15 de outubro durante a Mipcom 2018, em Cannes, na França.

Algumas das produções confirmadas já fizeram bastante sucesso por aqui, pela tela do SBT, e vivem não só na memória dos amantes dos dramalhões mexicanos, como no coração.

O objetivo deste projeto é conservar a mesma identidade dramática e a força dos personagens, mas agora com um enfoque em multiplataforma, com formato curto e contextos da atualidade para as novas gerações dos mais grandes eitos mexicanos do melodrama.

 

1. A Usurpadora: 1998

A novela, quando exibida no Brasil, conseguiu se aproximar dos números do Ibope do Jornal Nacional. Foi escrita por Carlos Romero, sendo um remake de La usurpadora, telenovela venezuelana da RCTV de 1971. Esta é a segunda adaptação da Televisa da obra de Inés Rodena, que em 1981 levou ao ar El hogar que yo robe.

É uma das novelas mais assistidas e reprisadas em todo o planeta ao lado de Maria do Bairro. Seu último capítulo exibido no Brasil em 09 de novembro de 1999, teve picos de 30 pontos, com média de 27, para o SBT segundo o Ibope.

Já foi exibida sete vezes pela emissora de Silvio Santos: 1999, 2000, 2005, 2007, 2012/2013, 2015 e 2016/2017.

Foi a novela que revelou a atriz venezuelana, Gaby Spanic, ao estrelato mundial dando vida às irmãs gêmeas, Paola e Paulina.

 

2. O privilégio de amar: 1998/1999

Foi a novela que substituiu no Brasil, e também no México, A Usurpadora. É um remake da venezuelana Cristal, produzida em 1985. É uma das novelas mexicanas de maior audiência e também no Brasil. Em 2006, o SBT produziu um remake com o título da obra original, Cristal. A Televisa fez um remake em 2010 com o nome de Triunfo del Amor.

O privilégio de amar foi exibida quatro vezes no Brasil: 1999, 2002, 2008 e 2013

 

3. Rubi (Rubí): 2004

Conta a história de uma jovem linda e sensual que faz de tudo para sair da pobreza. Original de Yolanda Vargas Dulché, é um remake da telenovela mexicana Rubi, produzida em 1968 e foi adaptada por Ximena Suárez. Seis anos após lançamento de Rubí, a telenovela Teresa foi acusada de plágio. Vários sites apontam semelhanças entre as duas telenovelas.

No Brasil foi exibida em 2005, 2006, 2013 e 2017.

 

4. A madrastra (La madrastra): 2005

Conta a história de Maria que é condenada injustamente à prisão perpetua. O marido pede que ninguém conte aos filhos a verdadeira história e inventa que ela morreu num acidente. Vinte anos depois de desespero e reclusão, Maria é libertada da prisão e está de volta para cumprir o que prometera anos atrás: fazer justiça ao descobrir quem é o monstro que a pôs na cadeia, além de recuperar o amor dos filhos

É uma adaptação da telenovela chilena de mesmo nome e de autoria de Arturo Moya Grau. A Madrasta foi reexibida entre 2013 e 2014.

 

5. Ambição (Cuna de lobos): 1986/1987

É a novela da famosa vilã Catalina Creel que tem um dos olhos tapados. Essa personagem é considerada uma das maiores vilãs da dramaturgia mundial.

No Brasil, o SBT a exibiu entre 1991 e 1992. Foi reexibida entre 1992 e 1993.

É considerada uma das melhores novelas no México alcançando a audiência de 73 pontos no capítulo final.

Televisa Studios anunciou que essa será a primeira produção do novo projeto em 2019:

 

6. Os ricos também choram (Los ricos también Lloran): 1979

A novela Maria do Bairro deveria ser um remake desta obra. Então, a trama é parecida. Mas, durante a produção, Carlos Romero, autor da adaptação, seguiu novos caminhos no enredo.

No México, começou a ser exibida às 18h, mas devido ao grande sucesso foi transferida para às 21h. É uma das novelas mais exportadas da Televisa e sucesso mundial.

Foi a primeira novela mexicana a ser exibida no Brasil e na Espanha. Aqui, isso aconteceu em 1982 quando o SBT se chamava TVS.

O SBT fez um remake em 2005, e Telemundo (EUA), em 2006 com o título de Marina.

 

7. Rosa selvagem (Rosa salvaje): 1987/1988

Inspirada nos romances La gata e La indomable de Inés Rodena, e em uma história de Abel Santa Cruz, foi adaptada por Carlos Romero.

O drama conta a história de Rosa que vive com sua madrinha em um bairro muito pobre, ela é uma garota muito simples e se veste como um garoto. Num certo dia Rosa vai a uma mansão para roubar maçãs e conhece o dono da casa Ricardo. Rosa se apaixona por ele, enquanto ele decide casar-se com ela para provocar suas irmãs. Com o tempo Ricardo acaba se apaixonando por Rosa, porém suas irmãs fazem de tudo para atrapalhar a vida do casal.

No Brasil foi exibida em 1991 e o último capítulo obteve 24 pontos no Ibope. Foi reprisada em 1993.

Em 2000, Televisa fez uma nova versão com o título de Por um beso. Venevision, da Venezuela, fez sua versão em 2002 com o nome de La Gata. No ano de 2004, o SBT fez a versão brasileira intitulada Seus Olhos. Televisa voltou a fazer um remake em 2014 sob o titulo de La Gata, e a trama foi exibida no Brasil entre 2016 e 2017.

 

8. Lágrimas de Amor (Corona de lágrimas): 2012/2013

É um remake da telenovela homônima produzida em 1965. Conta o drama de uma mãe que foi expulsa de casa com os três filhos pelo marido. Cada um dos filhos apresenta uma personalidade. No Brasil foi exibida entre 2016 e 2017. Eu gostava muito dessa novela. O SBT picotou a novela devido a baixa audiência. A abertura da novela é uma das que eu mais curto. A imprensa mexicana chegou a anunciar que a novela teria uma segunda temporada, mas isso não chegou a acontecer.

 

9. 15 anos / Meus 15 anos (Quinceañera): 1987/1988

Foi um grande sucesso mexicano sendo uma das primeiras a tratar de assuntos como a gravidez na adolescência, drogas e gangues, e a primeira dedicada ao público adolescente.

A produção revelou duas grandes personalidades que seriam muito conhecidas aqui no Brasil posteriormente: Adela Noriega (O privilégio de amar) e Thalía (Maria Mercedez, Marimar, Maria do Bairro e Rosalinda).

A trama foi escrita por René Muñoz também conhecido pelos brasileiros apaixonados pelas novelas de Thalía (como eu). Ele interpretou anos depois o Moacir de A Usurpadora, o Veracruz de Maria do Bairro e o padre Torres de Marimar.

René Muñoz

A novela contava a vida de Beatriz (rica) e Maricruz (pobre) que estudam juntas e eram melhores amigas. Ambas estavam prestes a completar 15 anos e sonhavam com suas respectivas festas de debutantes.

No Brasil foi exibida pela primeira vez em 1991 substituindo Rosa Selvagem e sendo substituída por Ambição. Aproveitando o sucesso de Thalía em Maria do Bairro, em 1997, a CNT Gazeta adquiriu os direitos de exibição e a retransmitiu com o título de Meus 15 anos.

No ano 2000, Televisa fez um remake com o título de Primeiro amor... a mil por hora, que foi exibida pelo SBT em 2003.

Miss XV, em 2012, Televisa e Nickelodeon coproduziram, com a colaboração do canal colombiano RCN o novo remake. No Brasil a trama foi exibida pelo canal Nickelodeon.

 

10. Coração Selvagem (Corazón salvaje): 1966; 1977; 1993/1994; 2009

Elenco da produção de 1993

Esta novela conta com cinco versões. A original é de 1966 e é considerada como uma joia rara da teledramaturgia local. O drama se desenvolve no início do século XX em uma ilha caribenha.

No ano de 1966, em Porto Rico, foi produzida uma versão com o título de Juan del Diablo. Em 1977 foi feito o primeiro remake pela Televisa e obteve também êxito.

Entre 1993 e 1994, a Televisa produziu o segundo remake que conquistou muito sucesso obtendo recordes de audiência e uma das mais lembradas pelos telespectadores mexicanos.

A última versão foi produzida em 2009. O texto continha histórias de outra novela também mexicana Yo compro esa mujer que conta com seis versões, inclusive uma brasileira: Eu compro essa mulher, em 1966. Não obteve o sucesso esperado e foi muito criticada.

No Brasil foi exibida pela CNT Gazeta em 1997 e reprisada pelo SBT entre 2000 e 2001.

 

11. El maleficio (Estranho poder): 1983/1984

A trama foi protagonizada pelo seu produtor, Ernesto Alonso, papel que o consagrou como El señor das telenovelas.

Foi a primeira a abordar o tema bruxaria e ocultismo, causando bastante polêmica. Apesar de tentarem censurá-la, a trama fez bastante sucesso com o público mexicano.

No Brasil, a novela foi exibida pelo SBT entre 1984 e 1985.

 

12. Colorina: 1980/1981

Versão de 1980/1981

É uma versão de uma novela chilena, La Colorina de 1977. Conta a história de uma linda mulher que trabalha como prostituta em um cabaré que engravida de um rapaz rico. Ela aceita que, depois de nascido, o bebê fique com a família rica, já que não teria condições de cria-lo vivendo num cabaré. Entretanto, ao nascer a criança ela decide fugir e passa a viver com seu nome verdadeiro.

Televisa fez uma nova versão em 2001 com o nome de Salomé. Em 1993, na argentina foi produzido o remake Apasionada. No Peru, em 2017, produziu-se a última versão do drama com o mesmo nome da obra da Televisa de 1980/1981, Colorina.

Versão peruana de 2017

Foi a única novela não exibida no Brasil, mas contou com a exibição de Salomé, em 2002.

 

13. A Mentira (La Mentira): 1998

A novela gira em torno de uma grande intriga e conta com o brasileiro Guy Ecker como protagonista. Foi exibida no México às 17h, e muitas vezes dava mais audiência que a novela das 21h.

Foi exibida pela primeira vez no Brasil no ano de 2000. Foi reexibida em 2016. É uma telenovela que conta com várias versões, inclusive brasileira.

A original, em 1965, produzida no México, se passa no Amazonas. Em 1966, a TV Tupi produziu a versão brasileira tendo no elenco Fernando Montenegro: Calúnia.

A Televisa produz o primeiro remake mexicano em 1982 com o nome de El amor nunca muere. Depois, produz o sucesso em 1998.

Em 2008, Telemundo dos EUA produziu o remake El juramento. No ano de 2010, Televisa volta a produzir uma nova versão intitulada Cuando me enamoro. O SBT produziu a segunda versão brasileira em 2012, Corações Feridos.

A última versão, com baixa audiência, no México, foi em 2015 reunindo tramas de Lo imperdonable (1975), La Mentira e a inédita Tzintzuntzán, la noche de los muertos.

Post relacionados

70 anos das Telenovelas: Meu Top 6 das melhores do mundo

Tudo começou no Brasil

Leia mais

Órfãos da Terra vence o Emmy Internacional 2020 de Melhor Telenovela do mundo

Última obra brasileira a vencer foi em 2016

Leia mais
Inscreva-se em nossa Newsletter e fique por dentro das novidades